Saiba como detectar uma possível situação de sobreendividamento.

Conheça 8 sinais de um possível descontrolo das dívidas e saiba como poderá reencontrar o equilíbrio das suas finanças.

Conheça 8 dos sinais que poderão indicar uma possível situação de endividamento e saiba como se proteger

O descontrolo financeiro é um fenómeno cada vez mais comum nos orçamentos familiares. O sonho de comprar um carro ou uma casa e todas as facilidades associadas, levam várias das famílias a gastar mais do que aquilo que ganham. Esta situação pode levar ao sobreendividamento ao acumular várias dívidas mensais.

Este artigo tem por objectivo ajudar a detectar 8 sinais que poderão denunciar uma possível situação de endividamento. Conheça ainda uma forma que o poderá ajudar a reorganizar as despesas do agregado familiar e a prevenir um período negro nas finanças.

8 sinais de que poderá estar prestes a entrar numa situação de descontrolo financeiro

Conheça os sinais que poderão ajudar a detectar uma possível situação de endividamento.

1 - Rejeição constante dos pedidos de crédito

O banco sempre verifica o Mapa de Responsabilidades do Banco de Portugal (BP) das pessoas que fazem um pedido de empréstimo ou a aquisição de um cartão de crédito.

O banco irá analisar 2 informações:

  • Historial de crédito do cliente: para saber se terá a confiança necessária para lhe conceber um pedido de empréstimo.
  • Estado dos créditos: caso o cliente tenha algum crédito em situação de incumprimento registado no Banco de Portugal. Nestas situações, antes de fazer o empréstimo de dinheiro ou de conceder um cartão de crédito, o banco poderá propor formas de regularizar a situação de incumprimento.

Em muitos casos, a dificuldade em aprovar um empréstimo, pode estar relacionada a um possível historial de incumprimento.  Em geral, estas dificuldades para pagar as dívidas podem estar relacionadas com a falta de pagamento um ou mais créditos ou por uma taxa de esforço acima do limiar aceitável.

Em situações como estas, a melhor alternativa é procurar renegociar os créditos com o banco para encontrar soluções o mais rapidamente possível. Sempre que possível, evite entrar em situação de incumprimento bancário, pois esta situação é mais complicada e demorada de resolver.

Se está no limiar de entrar em incumprimento, pode contar com a ajuda de soluções de crédito que funcionam como um “balão de oxigénio” e ajudam a retomar o controlo das finanças, como nomeadamente, o crédito consolidado.

2 - Precisar de escolher entre pagar as necessidades primárias e as dívidas

Um sinal evidente de problemas é a dificuldade para pagar as dívidas mensais e ao mesmo tempo comprar bens alimentares. Se isto está a ocorrer, pode ser um sinal de alerta para retomar o controlo das dívidas o quanto antes.

É natural que algumas dívidas possam causar dificuldades momentâneas. Quantos já não ficaram um “bocadinho apertados” porque tinham que pagar “aqueles sapatos lindos“; um cartão de crédito extra para a viagem de férias; uma ida aos restaurante não planeada, entre outras despesas que podiam ser melhor geridas.

Contudo, note que não é suposto debater-se entre as necessidades básicas da vida, como alimentar-se ou pagar os meios de transporte, e questões de segunda necessidade.

Se esta situação de endividamento torna-se recorrente, é válido começar a pensar em formas para aumentar os níveis de poupança e conseguir alguma estabilidade financeira.

3 - Não conseguir pagar mais do que o montante mínimo

Outra indicação de problemas financeiros ocorre quando os pagamentos mínimos do cartão de crédito ou de outras dívidas tornaram-se um rotina mensal. Nestes casos, pode haver um sinal de que as obrigações mensais são superiores aos rendimentos do agregado familiar.

Portanto, é importante ter em conta que os pagamentos mínimos poderão não ser suficientes para pagar as prestações mensais com juros.

Considere a situação financeira a seguir:

  • Empréstimo de cartão de crédito: 500€.
  • Prestação mensal: 62,5€/mês.
  • Prazo para pagamento do empréstimo: 8 meses.
  • Valor disponível para pagar o empréstimo: 40€/mês.

Ao analisar a situação descrita no exemplo, verifica-se que ao longo do período de 8 meses, haverá uma divida em aberto de 180€ sobre o qual irão incidir juros e complicações contratuais pela falta de pagamento do empréstimo.

Total da dívida em atraso: 62,5€ x 8 meses = 500€ – 320€ (valor pago) = -180€ (dívida)

Portanto, as prestações estariam totalmente pagas em 8 meses, se estivessem em dia. No entanto, se apenas 40,00€ dos 62,50€ são pagos mensalmente, ao final restará uma dívida de 180€ + encargos, eventuais multas e outros potenciais problemas.

Numa situação como estas, o risco de incumprimento é praticamente certo e procurar ajuda o quanto antes deverá ser a primeira ação a tomar. Uma das alternativas passa por procurar um novo empréstimo para acabar de vez com as dívidas.

O crédito consolidado é uma solução de crédito que permite juntar as dívidas em aberto e consolidar todos os pagamentos num só. Além de facilitar a gestão financeira, a consolidação pode efectivamente, acabar com as dívidas.

4 - Gastar mais do que o salário mínimo, mas não conseguir fazer face às dívidas mensais

A conta é simples. Junte tudo que ganhar e tire o que tem a pagar. Se a conta ficar negativa, algo está errado e é preciso começar já uma reestruturação financeira. Se um trabalhador que ganha por volta de 700€ líquidos mensais tem dívidas mensais de 800€, certamente, entrará numa situação de sufocamento financeiro.

Para retomar o controlo das finanças será preciso fazer uma reestruturação das dívidas e buscar formas de assumir o controlo das finanças. Uma alternativa passa por usar uma folha de cálculo para anotar tudo que entra e tudo que sai no orçamento familiar.

Para fazer o download de uma folha de cálculo para organizar as finanças, siga o link abaixo:

5 - Comprar mais do que precisa

As compras desnecessárias ou por impulso são um problema que deve ser combatido. Em muitos casos, aqueles objectos adquiridos sem levar em conta o orçamento do agregado familiar, podem levar a uma situação de descontrolo das finanças.

Considere as necessidades reais de compra frente aos rendimentos da família e se necessário, faça o uso de uma folha de cálculo poderá ajudar a saber quando de dinheiro está disponível para as compras extraordinárias.

Numa situação de controlo financeiro, deixe algum dinheiro reservado para situações inesperadas, como doenças e viagens de última hora e aproveite para reservar uma parte das finanças para poupar.

Faça as contas e tente separar alguma parte das finanças para realizar os pequenos desejos de consumo do dia a dia. Se tiver metas de longo prazo, procure tomar o controlo da situação e reservar o máximo de dinheiro possível para alcançar os seus objectivos. No final, verá que o esforço valeu a pena.

6 - Pedir dinheiro emprestado constantemente

Recorrer constantemente à ajuda de familiares ou amigos para pedir dinheiro emprestado é outra indicação de perda do controlo das finanças.

Para evitar ter que recorrer a pedidos de empréstimos a terceiros, é importante desenhar um plano de ação para aumentar os níveis de poupança.

Um das alternativas passa por fazer uma completa reestruturação financeira. E isto poderá começar por juntar vários dos créditos que tem a decorrer. O crédito consolidado é uma alternativa para combinar as dívidas e colocar as finanças em ordem.

Se tem um empréstimo com um parente ou amigo, poderá conseguir dinheiro extra com o crédito consolidado para pagar estas dívidas e se ver livre de ter de pedir dinheiro emprestado todos os meses.

7 - Receber chamadas de cobrança

Outras das indicações de perda do controlo das finanças é o receber constante de telefonemas de cobrança de dívidas. Se esta situação está recorrente, é mesmo necessário agir logo e reorganizar a vida financeira.

Para começar:

  • Renegociar as dívidas.
  • Cumprir com o combinado: sempre que possível.
  • Crie um plano de ação para acabar com as dívidas.

É muito importante que evite entrar em incumprimento bancário. Se estiver com o nome da lista negra do Banco de Portugal, não poderá conseguir novos empréstimos.

Se pensa em reorganizar as finanças e juntar todos os créditos para retomar o controlo financeiro, irá precisar estar em dia com os pagamentos das mensalidades que tem a decorrer.

Se já entrou em incumprimento, precisa antes, pagar todas as parcelas em atraso. Somente após ter os pagamentos dos créditos em dia, poderá pedir uma consolidação de créditos.

Se tem dúvidas sobre como organizar um processo de reestruturação das finanças, faça um contacto com a nossa equipa de especialistas em crédito consolidadoFaça uma simulação e aguarde o nosso contacto até 24 horas após o seu pedido de análise.

Em certos caso, se já estiver mesmo em incumprimento, deve fazer os pagamentos e em seguida, o mais rapidamente possível, iniciar o seu pedido de análise de combinação de créditos.

8 - Ficar com ansiedade ao pensar nas dívidas

Ter dívidas em diferentes bancos pode não ser só um problema de carteira, mas também se tornar uma dor de cabeça. Em muitos casos, a depressão, a ansiedade ou outras doenças emocionais podem surgir e gerar ainda mais momentos de stress e preocupação. Se estiver a passar por um mau bocado com as suas finanças, não desanime.

Comece a pensar em formas que o ajudarão a sair deste período como, nomeadamente:

  • Conversar com familiares: não se isole. Peça ajuda a familiares e amigos que lhe possam dar opiniões de como poderá sair ileso deste período.
  • Procurar ajuda de especialistas: para além dos bancos, existem empresas que o podem ajudar a reorganizar as suas dívidas. A e-loan Soluções Financeiras é uma delas.
  • Reavaliar a sua situação: faça um diagnóstico das suas dívidas mensais e perceba que despesas é que não lhe fazem falta. Se precisar de ajuda para começar a reorganizar o seu orçamento, utilize a seguinte Folha de Cálculo. Descarregue-a gratuitamente.
  • Ter um plano para lidar com as dívidas: se sentir um grande aperto financeiro ao final do mês, é importante que comece a pensar em soluções que o ajudem a sair ou prevenir o endividamento. Uma das opções poderá passar pela adesão ao crédito consolidado.
quais-créditos-consolidados-eloan

Aprenda a controlar melhor as suas finanças

Se os sinais apresentados neste artigo estão de alguma forma presentes no seu orçamento, pode mesmo ser a hora de iniciar um plano de ação para acabar com as dívidas.

Um das alternativas passa por encontrar soluções que o ajudem a dar uma nova vida às suas finanças. A e-loan Soluções Financeiras já ajudou milhares de famílias portugueses a organizarem a sua situação financeira a partir do crédito consolidado.

Saiba a seguir como a consolidação de créditos poderá contribuir para o ajudar a reduzir as suas dívidas mensais e a evitar entrar em situação de incumprimento bancário.

A consolidação de créditos

Com o crédito consolidado poderá reduzir a taxa de esforço, alívio que lhe permitirá pagar todas as suas prestações mensais, num valor mais baixo, evitando assim o sobreendividamento.

Junte várias das suas despesas em apenas:

  • 1 mensalidade.
  • 1 data.
  • 1 só banco.

Saiba a seguir como a consolidação de créditos poderá ser uma boa solução para o ajudar a reorganizar as suas finanças e evitar a situação de endividamento. Utilize o simulador de consolidação de créditos.

Esperamos que agora consiga identificar os sinais de uma possível perda do controlo das dívidas. Já sabe. Estamos aqui para o ajudar. Conte connosco. Até à próxima.